Noticias

Exclusivo: jato chinês disparou sinalizadores perto de helicóptero de caça a submarinos no Mar da China Meridional, diz Marinha do Canadá PEJAKOMUNA



A bordo do HMCS Ottawa
CNN

Um avião de guerra chinês disparou sinalizadores na frente de um helicóptero militar canadense sobre as águas internacionais do Mar da China Meridional no domingo passado, uma operação que oficiais militares canadenses disseram ser imprudente e poderia ter resultado na derrubada da aeronave.

“O risco para um helicóptero, nesse caso, são os sinalizadores que se movem para as pás do rotor ou para os motores, então isso foi classificado como inseguro, fora do padrão e pouco profissional”, disse o major Rob Millen, oficial da aviação a bordo da fragata HMCS da Marinha Real Canadense. Ottawa, o navio de guerra de onde voava o helicóptero Sikorsky Cyclone.

O incidente foi o segundo de dois encontros que o helicóptero de Ottawa teve com caças J-11 da Marinha do Exército de Libertação do Povo Chinês sobre águas internacionais em 29 de outubro, que viu os caças chegarem a até 30 metros do helicóptero, disse Millen à CNN em uma entrevista. a bordo do navio de guerra.

Ele disse que o Canadá e outras nações viram aeronaves chinesas aproximarem-se de aeronaves de asa fixa em inúmeras ocasiões, mas era raro ver tal ação tomada contra um helicóptero.

O primeiro incidente ocorreu em águas internacionais fora de 34 milhas da cadeia de ilhas Paracel, na parte norte do Mar da China Meridional. O segundo também ocorreu em águas internacionais fora de 23 milhas de Paracels. O navio de guerra estava operando em águas internacionais, 160 quilômetros a leste de Paracels na época.

O helicóptero canadense procurava um submarino detectado anteriormente quando os incidentes ocorreram, disseram oficiais a bordo do Ottawa.

Millen disse que estava pilotando o helicóptero canadense no início do dia, quando os J-11 chineses o interceptaram de perto enquanto ele voava reto e nivelado a 3.000 pés acima da água em direção a Ottawa, um sinal de que não tinha intenções hostis.

Um ciclone militar canadense Sikorsky CH-148 conduz voos de teste com o HMCS Montreal no porto de Halifax na quinta-feira, 1º de abril de 2010.

Nesse encontro anterior, Millen disse que os caças chineses voaram em círculos em torno do seu helicóptero.

“Quando a aeronave interceptadora estava cada vez mais próxima, a certa altura tornou-se insegura”, disse ele.

Seu helicóptero sofreu turbulência proveniente dos jatos chineses, o que também representa um perigo para o helicóptero, disse Millen.

“Certamente não estou tão confortável quanto você pode estar com base na fragilidade do sistema do rotor”, disse ele.

Millen disse que encerrou o encontro descendo a 200 pés, uma área onde o helicóptero pode operar, mas é “muito desconfortável para caças aéreos rápidos”.

O major da força aérea canadense disse que suas tripulações militares treinam sobre como responder às interceptações ocorridas no domingo e continuarão a sobrevoar as águas internacionais do Mar do Sul da China.

A CNN está entrando em contato com as autoridades chinesas para comentar os últimos incidentes.

A China reivindica jurisdição histórica sobre quase todo o vasto Mar da China Meridional e, desde 2014, construiu pequenos recifes e bancos de areia em ilhas artificiais fortemente fortificadas com mísseis, pistas e sistemas de armas – provocando protestos dos outros requerentes. As Paracels, chamadas de Ilhas Xisha pela China, estão na parte norte do Mar da China Meridional, a leste de Da Nang, no Vietnã, e ao sul da Ilha de Hainan, na China.

A hidrovia de 1,3 milhões de quilómetros quadrados é vital para o comércio internacional, com um terço estimado do transporte marítimo global no valor de biliões de dólares a passar todos os anos. É também o lar de vastas áreas de pesca férteis das quais dependem muitas vidas e meios de subsistência.

Em 2016, um tribunal internacional em Haia concluiu que a China não tem base jurídica para reivindicar direitos históricos sobre a maior parte do Mar do Sul da China. A China ignorou a decisão.


As principais potências ocidentais realizam frequentemente passagens através do mar para afirmar que a região é águas internacionais, provocando a ira de Pequim.

O Ottawa patrulhava a hidrovia desde segunda-feira passada, às vezes operando com navios e aeronaves navais dos Estados Unidos, Austrália, Japão e Nova Zelândia em um exercício multinacional denominado Noble Caribou. Porém, estava operando sozinho quando ocorreram os encontros com os jatos chineses.

O contratorpedeiro de Ottawa e da Marinha dos EUA, USS Rafael Peralta, durante a noite de quarta para quinta-feira, horário local, continuou sua implantação no Estreito de Taiwan, outra hidrovia internacional e canal de navegação vital que tem passado por tensões
encontros entre PLA e navios aliados.

01 caça a jato da China e dos EUA intercepta o GRAB do mar da China Meridional

Veja quão perto o caça chinês chegou do bombardeiro dos EUA

Em Junho passado, a Marinha dos EUA relatou um encontro próximo entre o destróier USS Chung-Hoon e um navio de guerra chinês durante um trânsito no Estreito de Taiwan, no qual o navio de guerra dos EUA diminuiu a velocidade para evitar a colisão com o navio da marinha chinesa que cortou à sua frente. A fragata canadense HMCS Montreal acompanhava o navio norte-americano na época, e uma equipe de notícias a bordo registrou o incidente.

O então ministro da Defesa chinês, Li Shangfu, culpou os EUA pelo aumento das tensões na região, quando questionado por repórteres numa conferência de defesa em Singapura.

“Eles não estão aqui para uma passagem inocente, estão aqui para uma provocação”, disse Li sobre os navios de guerra dos EUA.

Li disse que se os EUA e outras potências estrangeiras não quisessem o confronto, não deveriam enviar os seus meios militares para perto da China.

“Cuide da sua vida”, disse Li, acrescentando: “Por que todos esses incidentes aconteceram em áreas próximas à China, e não em áreas próximas a outros países?”

A passagem desta semana dos navios de guerra aliados pelo estreito transcorreu sem intercorrências, porém, sem nenhum contato relatado.

Um caça J-11 da Marinha chinesa é registrado voando perto de uma aeronave RC-135 da Força Aérea dos EUA no espaço aéreo internacional sobre o Mar da China Meridional, de acordo com os militares dos EUA, em uma imagem estática de um vídeo feito em 21 de dezembro de 2022.

Os incidentes de domingo ocorrem após outros relatos de interceptações inseguras de aeronaves aliadas nos últimos dias.

Na terça-feira, um caça do PLA chegou a 3 metros de um bombardeiro B-52 da Força Aérea dos EUA sobrevoando o Mar da China Meridional, disseram os militares dos EUA.

E no início de Outubro, um caça a jato chinês chegou a cinco metros (16 pés) de um avião canadiano de reconhecimento e vigilância CP-140 sobre o Mar da China Oriental.

Esse incidente foi registrado por equipes de notícias a bordo da aeronave canadense e testemunhado pelo major-general Iain Huddleston, comandante da 1ª Divisão Aérea do Canadá, que também estava no avião.

Huddleston chamou a interceptação de “pouco profissional” e “muito agressiva” em uma reportagem da Rádio Canadá, que estava no avião.

“A aeronave canadense foi sujeita a múltiplas manobras de proximidade por uma aeronave da PLAAF que colocaram em risco a segurança de todo o pessoal”, disse o Ministério da Defesa do Canadá em um comunicado.

O Ministério das Relações Exteriores da China disse que o avião canadense entrou ilegalmente no espaço aéreo chinês e acusou os militares canadenses de enviar “aviões de guerra por meio mundo para provocar problemas e fazer provocações às portas da China”.

Em Fevereiro, num incidente testemunhado por uma equipa da CNN, um avião de combate chinês chegou a 500 pés de um avião de reconhecimento da Marinha dos EUA que voava a 21.500 pés, a cerca de 30 milhas do Paracels.

No início deste mês, o principal funcionário do Pentágono encarregado da segurança no Indo-Pacífico, Ely Ratner, disse que os EUA têm visto mais casos de comportamento “coercitivo e arriscado” de pilotos chineses contra aeronaves dos EUA nos últimos dois anos no Leste. e nos Mares do Sul da China do que em toda a década anterior.

“Desde o outono de 2021, vimos mais de 180 incidentes desse tipo”, disse Ratner. “É uma campanha centralizada e concertada para realizar estes comportamentos de risco, a fim de coagir uma mudança na atividade operacional legal dos EUA.”

Guerra

Hello, I'm Guerra, the voice behind this blog. I am a passionate Writer, dedicated to sharing my knowledge and experiences with you. I've been Writing Megazine Blog for 5 years, and I'm passionate about bringing you informative and engaging content on macdonnellofleinster. My mission is to Create Information. I believe that it can. Feel free to contact me via [email protected] with any questions or collaborations. Thank you for visiting my blog, and I hope the content is enjoyable and informative! Follow me on Social Media for more updates and insights on News Articles. Warm regards, Guerra

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button