Noticias

Ativista da educação de meninas no Afeganistão, Matiullah Wesa, libertada pelo Talibã | Notícias sobre mulheres PEJAKOMUNA


Wesa, que viajou pelo país fazendo campanha para que as meninas tivessem acesso à educação, foi libertada após sete meses de prisão.

Um ativista afegão pelos direitos que defendeu a inclusão das meninas na educação foi libertado pelas autoridades talibãs após sete meses de prisão.

Matiullah Wesa, que viajou pelo país fazendo campanha para que as meninas tivessem acesso à educação, foi presa em março por “propaganda contra o governo”.

Ele foi libertado na quinta-feira e estava “a caminho de casa”, disse seu irmão à agência de notícias Agence France-Presse.

Um porta-voz da administração talibã confirmou a libertação de Wesa.

O principal especialista da ONU em direitos humanos no Afeganistão, Richard Bennett, saudou a libertação de Wesa, mas destacou a situação de centenas de outros activistas visados ​​pelos Taliban.

“Congratulo-me com a libertação de Matiullah Wesa e apelo à libertação imediata e incondicional de todos os defensores dos direitos humanos do #Afeganistão que estão arbitrariamente detidos por defenderem os seus próprios direitos e os direitos humanos dos outros”, escreveu ele na plataforma de mídia social X , anteriormente conhecido como Twitter.

Wesa, o fundador da organização sem fins lucrativos Pen Path, fez da promoção do acesso à educação a sua missão durante mais de uma década, visitando aldeias rurais para ajudar a reavivar escolas fechadas pela violência e para abrir bibliotecas.

Wesa comprometeu-se a continuar estes esforços depois de os talibãs terem tomado Cabul em 2021 e imposto duras restrições a raparigas e mulheres, incluindo a sua proibição de frequentar escolas, parques e ginásios e expulsá-las de empregos públicos.

Repressão ao ativismo

A prisão de Wesa desencadeou protestos das Nações Unidas e de grupos internacionais de defesa dos direitos humanos, que alertaram para o facto de os talibãs estarem a reprimir cada vez mais o “ativismo pacífico” em apoio às liberdades das mulheres.

“Os talibãs começaram por abusar, raptar e deter mulheres manifestantes”, disse Sahar Fetrat, investigadora afegã da Divisão dos Direitos da Mulher da Human Rights Watch, à Al Jazeera na altura. “Agora eles começaram a intimidar e abusar dos homens por aderirem ao ativismo pacífico.”

“Os talibãs temem que homens e mulheres afegãos se unam e lutem por um Afeganistão melhor”, disse Fetrat.

O Afeganistão ficou em último lugar entre 177 países num relatório divulgado na terça-feira pelo Instituto para a Paz, Mulheres e Segurança de Georgetown, que avalia a inclusão, a justiça e a segurança das mulheres na sociedade.

Erosão da liberdade de imprensa

A libertação de Wesa ocorre pouco depois da libertação de outro detido de destaque – o jornalista franco-afegão Mortaza Behboudi.

Behboudi, que passou nove meses na prisão sob suspeita de espionagem por fornecer “apoio ilegal a estrangeiros”, lamentou a deterioração do clima para os jornalistas no Afeganistão.

“Tudo é censurado hoje em dia”, disse Behboudi. “Se eu tirar foto na rua, corro o risco de ser preso. … Não existe mais liberdade de expressão. Não há mais liberdade de imprensa no Afeganistão.”

Guerra

Hello, I'm Guerra, the voice behind this blog. I am a passionate Writer, dedicated to sharing my knowledge and experiences with you. I've been Writing Megazine Blog for 5 years, and I'm passionate about bringing you informative and engaging content on macdonnellofleinster. My mission is to Create Information. I believe that it can. Feel free to contact me via [email protected] with any questions or collaborations. Thank you for visiting my blog, and I hope the content is enjoyable and informative! Follow me on Social Media for more updates and insights on News Articles. Warm regards, Guerra

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button