Noticias

Alegações de fraude de Milei ecoam Trump antes do segundo turno presidencial argentino | Argentina PEJAKOMUNA


Argentina

Os ataques do candidato de extrema-direita ao processo eleitoral levantam receios de que não aceite um resultado negativo na votação de domingo

Sexta-feira, 17 de novembro de 2023, 06h30 EST

Centenas de manifestantes aglomeraram-se em torno do icônico Obelisco de Buenos Aires para defender o homem que chamam de “A peruca” – a peruca.

“Você pode sentir isso! Você pode sentir isso! Peruca Presidente!”, gritavam os manifestantes sobre seu líder de palha selvagem, o populista de extrema direita Javier Milei.

Entre a multidão estava Esteban Elías Lozupone, um motorista de táxi de 48 anos que trouxe sua filha para testemunhar o comício pró-Milei na véspera de uma das eleições presidenciais mais cruciais da Argentina em décadas.

“Estamos tentando mudar as coisas. Caso contrário, este país não progredirá”, disse Lozupone, cuja filha de 11 anos usava uma bandeira de Gadsden com uma cascavel – um símbolo do movimento de Milei e da extrema direita dos EUA – pendurada no pescoço.

Tal como milhões de argentinos, Lozupone está eletrizado com a perspectiva de Milei vencer as eleições de domingo – acreditando que o economista anti-establishment pode tirar o país sul-americano de anos de miséria financeira com medidas radicais, incluindo a abolição do banco central e a dolarização da economia. As pesquisas sugerem que Milei desfruta de uma pequena vantagem sobre seu oponente, o ministro centrista das Finanças, Sergio Massa, cuja administração peronista é amplamente responsabilizada por mergulhar a Argentina na sua pior crise econômica em duas décadas.

Mas à medida que o dia das eleições se aproxima, Lozupone também está preocupado, tendo abraçado teorias da conspiração, sendo incentivado pela campanha de Milei, com o facto de a primeira volta de Outubro ter sido fraudada – e as eleições de domingo também poderem ser.

“Acho que houve muita fraude”, afirmou o taxista, sem provas, sobre a disputa do mês passado, na qual Milei perdeu inesperadamente para Massa por quase 2 milhões de votos.

Darío Rodríguez, um trabalhador de serviços de alimentação de 26 anos que também esteve na marcha “antifraude” pró-Milei, repetiu uma notícia falsa que circulou em contas de redes sociais ligadas ao libertário de direita. Segundo ele, Massa ganhou todos os votos na província de Santiago del Estero, no norte do país, no primeiro turno. “Isso não é estranho?” Rodríguez perguntou. Na verdade, Milei obteve quase 23% dos votos lá.

Um apoiador de Milei veste uma camisa que diz em espanhol ‘Parem com as falsas reclamações’ após o encerramento das urnas no primeiro turno, em 22 de outubro. Fotografia: Rodrigo Abd/AP

A proliferação de conspirações e invenções sobre fraude eleitoral lembra estranhamente o que aconteceu nos EUA e no Brasil sob Donald Trump e Jair Bolsonaro, populistas de direita a quem Milei é frequentemente comparado.

Na preparação para as eleições de 2020 nos EUA, Trump fez centenas de afirmações falsas ou enganosas sobre a votação e, depois de perder para Joe Biden, recusou-se a conceder, alegando falsamente que a eleição tinha sido roubada.

Antes das eleições de 2022 no Brasil, Bolsonaro minou repetidamente a fiabilidade do sistema de votação eletrónica do seu país e, depois de perder para Luiz Inácio Lula da Silva, também se recusou a aceitar o resultado.

Posteriormente, ambos os países sofreram graves surtos de violência depois de apoiantes de Trump e Bolsonaro – enfurecidos por falsas alegações de fraude – provocarem tumultos nas suas respectivas capitais, procurando anular os resultados.

Milei, que promove teorias conspiratórias culpando a esquerda pela violência em Brasília, parece estar seguindo um roteiro semelhante na Argentina.

Na terça-feira, altos representantes do partido de Milei, Libertad Avanza (Avanços da Liberdade), apresentaram uma petição a um juiz eleitoral exigindo “legalidade e transparência” nas eleições e acusando membros da polícia militar argentina, a gendarmaria, de “fraude colossal” durante o primeiro round. Segundo a petição, os agentes, que prestam segurança durante o processo eleitoral, “alteraram o conteúdo das urnas” nas horas seguintes à votação para aumentar o apoio a Massa.

Os peticionários – o advogado de Libertad Avanza, Santiago Viola, e a irmã e gerente de campanha de Milei, Karina Milei – não ofereceram provas. “Não temos vídeos nem fotos”, admitiu Viola em entrevista. “Mas os testemunhos são credíveis – temos uma fonte interna da gendarmaria”, afirmou.

Viola e Milei pediram que a Marinha e a Força Aérea sejam encarregadas de garantir que a votação de domingo não seja afetada por “pessoas sem escrúpulos” que cometem “atos ilegais”. O ministro da segurança da Argentina, Aníbal Fernández, disse que tentaria apresentar acusações criminais contra o partido de Milei pelas suas acusações “tolas”.

No início deste mês, Milei afirmou, também sem provas, que o primeiro turno “não foi limpo” e sofreu “irregularidades de tamanho tal que colocaram o resultado em dúvida”.

Depois de vencer as primárias de agosto – que servem como ensaio geral para a eleição, Milei alegou – novamente sem provas – que as cédulas foram roubadas dos locais de votação, privando-o de votos. “Há lugares onde não tivemos votos”, disse Milei. “Isso é estranho.”

A companheira de chapa de Milei, Victoria Villarruel, participa de debate no dia 8 de novembro. Villaruel causou indignação ao sugerir que a solução para os problemas da Argentina é a “tirania”. Fotografia: Luis Robayo/AFP/Getty Images

Tais intervenções convenceram muitos de que o populista argentino poderia recusar-se a aceitar uma derrota eleitoral estreita, como Trump e Bolsonaro fizeram nos EUA e no Brasil.

“É muito difícil dizer o que Milei fará [if he loses] mas é altamente provável que ele siga este… manual de aspirantes a fascista”, disse Federico Finchelstein, um historiador argentino que escreveu extensivamente sobre populistas de extrema direita, incluindo Bolsonaro e Trump.

Ariel Goldstein, autor de um livro recente sobre o renascimento da direita autoritária na América Latina, disse que vender conspirações sobre fraude eleitoral era uma forma eficaz de mobilizar apoiadores da extrema direita e combinava com a afirmação de Milei de ser um forasteiro honrado e combatente da corrupção, lutando contra um mal. “casta” política intencional.

“Essa ideia de ‘casta’ que Milei espalhou – de que os políticos são inimigos corruptos que devemos destruir – conecta-se muito bem com a teoria da fraude. [It’s:] ‘A casta comete fraude.’ São duas teorias da conspiração que se enquadram na ideia de que existe um inimigo que opera nas sombras”, disse Goldstein.

Nenhum dos académicos pensava que Milei – que, ao contrário de Trump e Bolsonaro, não serviu anteriormente como presidente – era forte o suficiente para tentar anular à força um resultado eleitoral, encorajando uma revolta ao estilo de Brasília ou de Washington.

“Não vejo Milei conseguindo ter o apoio que Bolsonaro e Trump tiveram… ​​para esse tipo de aventura”, disse Finchelstein. “[Trump and Bolsonaro] tiveram anos no poder para consolidar o seu poder e a sua legitimidade junto dos actores estatais. Neste ponto, não vejo isso em Javier Milei, especialmente no que diz respeito ao aparato de segurança.”

Mesmo que Milei tentasse algum tipo de ruptura antidemocrática, Goldstein acreditava que lhe faltaria o “elemento surpresa” que os apoiantes de Trump e Bolsonaro desfrutaram quando lançaram as suas insurreições fracassadas. Ele acreditava que a campanha de Massa estaria atenta a qualquer conspiração desse tipo, dada a tentativa de janeiro passado de derrubar o governo Lula no vizinho Brasil.

“Alguns dos assessores de Massa são brasileiros e trabalharam na campanha de Lula no ano passado”, disse Goldstein. “Então tudo parece indicar que eles estão mais conscientes de como a extrema direita opera em outros países e como poderia operar na Argentina”.

Ainda assim, os especialistas temem que qualquer tentativa de contestar a eleição aceleraria uma erosão preocupante das normas democráticas, o que também fez com que Milei e a sua companheira de chapa ultraconservadora, a congressista Victoria Villaruel, questionassem o consenso de quatro décadas sobre os crimes do governo argentino de 1976- 83, que se estima ter matado cerca de 30.000 pessoas.

Milei e Villarruel, que segundo ele servirá como chefe de segurança e defesa do seu governo, minimizaram o número de vítimas e caracterizaram o derramamento de sangue como parte de uma guerra justificável contra os opositores do regime. Esta semana Villarruel causou indignação ao declarar que a solução para a crise argentina era a “tirania”.

Um apoiador do rival centrista de Milei, Sergio Massa, segura seu pôster de campanha em Ezeiza, província de Buenos Aires, na terça-feira. Fotografia: Natacha Pisarenko/AP

“É extremamente preocupante que este tipo de indivíduo extremista e radical seja responsável pela segurança e pelo monopólio estatal da violência”, disse Finchelstein sobre Villaruel, cujo tio era um oficial de inteligência que trabalhou numa prisão secreta durante a ditadura.

Num editorial às vésperas das eleições, o Buenos Aires Herald escreveu: “Mesmo que [Milei] perde, o custo da sua ascensão política já foi imenso.

“Ele encorajou os elementos mais perigosos da extrema direita, resultando em ataques às minorias, na demonização dos pobres e na institucionalização do discurso de ódio. Este é um dos maiores desafios para a democracia argentina”, acrescentou o jornal.

Se Milei vencesse as eleições de domingo, Finchelstein acreditava que o Brasil de Bolsonaro forneceria um roteiro útil para como seria a Argentina. Ele temia que houvesse ataques às instituições democráticas, que as minorias e os opositores políticos fossem demonizados e que as leis sobre armas fossem afrouxadas, como aconteceu na fronteira. Medidas radicais de austeridade provavelmente alimentariam a desigualdade e a pobreza e provocariam agitação nas ruas de Buenos Aires.

“O passado brasileiro com Bolsonaro se assemelha à possibilidade de um futuro argentino”, alertou Finchelstein, prevendo: “Se Milei vencer, a democracia sofrerá”.

Guerra

Hello, I'm Guerra, the voice behind this blog. I am a passionate Writer, dedicated to sharing my knowledge and experiences with you. I've been Writing Megazine Blog for 5 years, and I'm passionate about bringing you informative and engaging content on macdonnellofleinster. My mission is to Create Information. I believe that it can. Feel free to contact me via [email protected] with any questions or collaborations. Thank you for visiting my blog, and I hope the content is enjoyable and informative! Follow me on Social Media for more updates and insights on News Articles. Warm regards, Guerra

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button