Noticias

A destruição da Internet em Gaza está completa PEJAKOMUNA


Durante mais de três semanas, Gaza enfrentou um apagão quase total da Internet. Os cabos, torres de celular e infraestrutura necessários para manter as pessoas on-line foram danificados ou destruídos quando Israel lançou milhares de mísseis em resposta ao ataque do Hamas a Israel e à tomada de centenas de reféns em 7 de outubro. Gaza, parte da última conectividade restante desapareceu.

Nos dias que se seguiram ao 7 de Outubro, as pessoas que vivem em Gaza não conseguiram comunicar com familiares ou amigos, deixando-as sem saber se os seus entes queridos estão vivos. Encontrar notícias confiáveis ​​sobre eventos tornou-se mais difícil. As equipes de resgate não conseguiram se conectar às redes móveis, dificultando os esforços de recuperação. E a informação que sai de Gaza, mostrando as condições no terreno, tem sido bloqueada.

Enquanto as Forças de Defesa de Israel afirmavam que estavam a expandir as suas operações terrestres em Gaza esta noite, a conectividade à Internet caiu ainda mais. A Paltel, a principal empresa de comunicações palestiniana, conseguiu manter alguns dos seus serviços online durante a resposta militar de Israel ao ataque do Hamas. No entanto, por volta das 19h30, horário local de hoje, a empresa de monitoramento de internet NetBlocks confirmado um “colapso” na conectividade na Faixa de Gaza, impactando principalmente os restantes serviços Paltel.

“Lamentamos anunciar a interrupção completa de todas as comunicações e serviços de Internet na Faixa de Gaza”, postou Paltel em sua página no Facebook. A empresa alegou que o bombardeio “causou a destruição de todas as rotas internacionais restantes”. Uma postagem idêntica foi feita na página do Facebook da Jawwal, a maior operadora de telefonia móvel da região, que pertence à Paltel. Separadamente, o Crescente Vermelho Palestiniano, uma organização humanitária, disse no X (anteriormente Twitter) que perdeu contacto com a sua sala de operações em Gaza e está “profundamente preocupado” com a sua capacidade de continuar a cuidar das pessoas, com ligações fixas, celulares e à Internet inacessíveis.

“Este é um desenvolvimento aterrorizante”, disse Marwa Fatafta, gerente de políticas com foco no Oriente Médio e Norte da África no grupo de direitos digitais Access Now, à WIRED. “Tirar Gaza completamente da rede e ao mesmo tempo lançar uma campanha de bombardeamento sem precedentes significa apenas que algo atroz está prestes a acontecer.”

Uma análise da WIRED aos dados de análise da Internet, às publicações nas redes sociais e às declarações das empresas palestinianas de Internet e telecomunicações mostra como a conectividade na Faixa de Gaza caiu drasticamente depois de 7 de Outubro e como alguns edifícios ligados a empresas de Internet foram danificados em ataques. Fotos e vídeos mostram que sites que abrigam diversas empresas de internet e telecomunicações foram danificados, enquanto relatórios de organizações oficiais, incluindo as Nações Unidas, descrevem o impacto do fato de as pessoas estarem off-line.

Linhas danificadas

Em todo o mundo, a Internet e as redes de telecomunicações que normalmente dão aos utilizadores da Web acesso a videochamadas internacionais, serviços bancários online e intermináveis ​​redes sociais são uma mistura complicada e extensa de hardware e software. Redes de redes, combinando data centers, servidores, switches e resmas de cabos, comunicam-se entre si e enviam dados globalmente. O acesso local à Internet é fornecido por um conjunto de empresas sem documentação pública clara da sua infra-estrutura, dificultando a monitorização do estado geral do sistema como um todo. Em Gaza, dizem os especialistas, a conectividade à Internet depende fortemente da infra-estrutura israelita para se ligar ao mundo exterior.

No meio do intenso bombardeamento de Gaza por parte de Israel, os sistemas físicos que alimentam a Internet foram destruídos. Em 10 de Outubro, o Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação dos Assuntos Humanitários (OCHA), que supervisiona as respostas de emergência, disse que os ataques aéreos “visaram várias instalações de telecomunicações” e destruíram duas das três principais linhas de comunicações que vão para Gaza.

Guerra

Hello, I'm Guerra, the voice behind this blog. I am a passionate Writer, dedicated to sharing my knowledge and experiences with you. I've been Writing Megazine Blog for 5 years, and I'm passionate about bringing you informative and engaging content on macdonnellofleinster. My mission is to Create Information. I believe that it can. Feel free to contact me via [email protected] with any questions or collaborations. Thank you for visiting my blog, and I hope the content is enjoyable and informative! Follow me on Social Media for more updates and insights on News Articles. Warm regards, Guerra

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button